Monday, August 05, 2002

Olás

Sim, eu comecei com "olás" porque lá vem coisa. É o jeito de amaciar o caro leitor (cara leitora bonitinha que queira ser amaciada por favor, entre em contato).

Bem, não tem mais jeito de eu continuar escrevendo nem aqui nem lá no outro... Esse post encerra o RG assim como outro encerrou o El Kablog e um está encerrando, agora, o PMD. Não tem jeito mesmo...

Se for o caso de voltar ao vício blogueiro e à criatividade, ao tempo e à inspiração que ele exige, algum dia dia vocês descobrirão esse cara aqui em novo endereço. Mas não se preocupem: SE acontecer, vai demorar um bocado.

Até lá, prefiram as ótimas histórias da Juliana do textolivre, ou as loucuras breguíssimas muito bem sacadas do Ruy Goiaba. Tem um menu aí do lado pra quem quiser "se aprofundar mais no assunto".

Obrigado a quem veio ao funeral, té mais. Pegue seu café na saída.

Friday, July 19, 2002

Vamos voltando aos poucos. Bem aos poucos mesmo, porque a situação ainda é péssima.

Isso aqui embaixo vem de e-mail, também, e eu vou pôr aqui pra rimar com um outro que tá aí embaixo em algum canto, de assunto parecido...

==========

Capitalismos ao redor do mundo

CAPITALISMO IDEAL:
Você tem duas vacas. Vende uma e compra um touro. Eles se multiplicam, e a economia cresce. Você vende o rebanho e aposenta-se, rico!

CAPITALISMO AMERICANO:
Você tem duas vacas. Vende uma e força a outra a produzir leite de quatro vacas. Fica surpreso quando ela morre.

CAPITALISMO FRANCÊS:
Você tem duas vacas. Entra em greve porque quer três.

CAPITALISMO CANADENSE:
Você tem duas vacas. Usa o modelo do capitalismo americano. As vacas morrem. Você acusa o protecionismo brasileiro e adota medidas protecionistas para ter as três vacas do capitalismo francês.

CAPITALISMO JAPONÊS:
Você tem duas vacas. Redesenha-as para que tenham um décimo do tamanho de uma vaca normal e produzam 20 vezes mais leite. Depois cria desenhinhos de vacas chamados Vaquimon e os vende para o mundo inteiro.

CAPITALISMO ITALIANO:
Você tem duas vacas. Uma delas é sua mãe, a outra é sua sogra, maledetto!!

CAPITALISMO ENRON :
Você tem duas vacas. Vende três para a sua companhia de capital aberto usando garantias de crédito emitidas por seu cunhado. Depois faz uma troca de dívidas por ações por meio de uma oferta geral associada, de forma que você consegue todas as quatro vacas de volta, com isenção fiscal para cinco vacas. Os direitos do leite das seis vacas são transferidos para uma companhia das Ilhas Cayman, da qual o sócio majoritário é secretamente o dono. Ele vende os direitos das sete vacas novamente para a sua companhia. O relatório anual diz que a companhia possui oito vacas, com opção para mais uma. Você vende uma vaca para comprar um novo presidente dos Estados Unidos e fica com nove vacas. Ninguém fornece balanço das operações e público compra o seu esterco.

CAPITALISMO BRITÂNICO:
Você tem duas vacas. As duas são loucas.

CAPITALISMO HOLANDÊS:
Você tem duas vacas. Elas vivem juntas, não gostam de touros e tudo bem.

CAPITALISMO ALEMÃO:
Você tem duas vacas. Elas produzem leite regularmente, segundo padrões de quantidade e horário previamente estabelecido, de forma precisa e lucrativa. Mas o que você queria mesmo era criar porcos.

CAPITALISMO RUSSO:
Você tem duas vacas. Conta-as e vê que tem cinco. Conta de novo e vê que tem 42. Conta de novo e vê que tem 12 vacas. Você para de contar e abre outra garrafa de vodca.

CAPITALISMO SUIÇO:
Você tem 500 vacas, mas nenhuma é sua. Você cobra para guardar a vaca dos outros.

CAPITALISMO ESPANHOL:
Você tem muito orgulho de ter duas vacas.

CAPITALISMO PORTUGUÊS:
Você tem duas vacas. E reclama porque seu rebanho não cresce...

CAPITALISMO CHINÊS:
Você tem duas vacas e 300 pessoas tirando leite delas. Você se gaba de ter pleno emprego e alta produtividade. E prende o ativista que divulgou os números!

CAPITALISMO HINDU:
Você tem duas vacas. Ai de quem tocar nelas.

CAPITALISMO ARGENTINO:
Você tem duas vacas. Você se esforça para ensinar as vacas mugirem em inglês. As vacas morrem. Você entrega a carne delas para o churrasco de fim de ano do FMI.

CAPITALISMO BRASILEIRO:
Você tem duas vacas. Uma delas é roubada. O governo cria a CCPV - Contribuição Compulsória pela Posse de Vaca. Um fiscal vem e te autua, porque embora você tenha recolhido corretamente a CCPV, o valor era pelo número de vacas presumidas e não pelo de vacas reais. A Receita Federal, por meio de dados também presumidos do seu consumo de leite, queijo, sapatos de couro, botões, presumia que você tivesse 200 vacas e para se livrar da encrenca, você dá a vaca.

Friday, June 28, 2002

Olha... este blog não acabou.

Mas o dono dele sim. Não dá pra dizer quando haverá uma atualização. Sinto muito.

Obrigado por aqueles que aparecem aqui. Espero poder voltar.

Tuesday, June 25, 2002

Eu não to postando por causa da cabeça vazia de alguma coisa pertinente. Mas estou lendo "Uma Breve História do Tempo" (e achando o máximo, até que enfim), ou seja, coisa estranha aqui dentro é o que não falta.

Acho que ninguém quer saber o que é, né...

Thursday, June 20, 2002

Copiando e-mail, que é o máximo que dá pra fazer em termos de "pensar" (e só daí vocês já vêem o estado do dono do blog):

Tipos de e-amigos

Podemos classificar nossos amigos de diversas maneiras. Mas depois do e-mail, um novo tipo de classificação pode ser feita:

On-Line: Mal mandamos e a resposta já está de volta.
Off-Line: Depois de um ano e oito meses a resposta vem. Sem referências.
Multiplex queimado: Perguntamos sobre como vai a vida e ele responde perguntando se temos o Winamp.
Velox: Aquele que pensa que todo mundo tem banda larga. Só manda e-mails enormes com animações em flash, vídeos, mp3, etc...
Buttman: Só manda putaria, incluindo animais e bizarro. Quase te mata de vergonha quando você abre o e-mail dele perto de alguém.
Vale a pena ver de novo: Aquele que te manda aqueles e-mails que circulam na Internet há mais de dez anos como se fosse a primeira vez. Depois de seis meses, manda de novo.
Fox Mulder: Acredita em todas teorias conspiratórias e reenvia pra todo mundo. Ainda faz o comentário pra todos lerem com atenção.
Madre Tereza de Calcutá: Vive mandando e-mails de pessoas com doenças, crianças desaperecidas, creches necessitadas, etc.
Marcos Mion: Manda sempre os piores e-mails do mundo.
Lair Ribeiro: Manda aquele monte de .PPS cheios daqueles anjinhos malas com mensagens de auto-ajuda como se isso fosse mudar a sua vida definitivamente.
Paulo Coelho: Vive mandado totens, correntes, esoterismo, numerologias, etc...
Nem Aí: Você manda dez e-mails e ele não te retribui nem com meio.
Cascão: Sempre encaminha e-mail clicando só em "encaminhar" e "enviar". A mensagem chega recheada de lixo e ">>>>>>>".
Bin Laden: Só manda e-mail bomba: ou tem vírus ou não abre.
Fafá de Belém: Quando tem que expressar alegria, sempre responde "kakakakakakaka".
Gaúcho alegre: Pra dizer que está rindo, escreve (rs).
Telegrama: Nao usa acento nem pontuacao
Morse: Aq q so sb esc em cod.
Mobral: Prissiza voutar pra aufabetisassão;
Romário: Aquele que tem mais amigos que o baixinho. Manda um e-mail de duas linhas pra uma lista de duas páginas de amigos.
Maguila: Aquele que, no final do e-mail, manda um abraço pra cada um, individualmente.
Chat-o: Aqueles que fazem um diálogo por e-mail como se estivessem numa sala de chat, respondendo pra todo mundo que estava no endereço do e-mail original.
FHC: Aquele que só responde com um "Não te respondi porque estava viajando".
Lá Vem Ele: Aquele que lembra de te mandar e-mail só para pedir alguma coisa.
Big Brother: Aquele que quer que você saiba tim-tim por tim-tim tudo que acontece na vida dele.
Metrô das 18h: Aquele que vive retornando os e-mails que você manda, porque a caixa postal dele tá sempre lotada.
Fanático: Só manda e-mail sobre um único assunto.
Sem Noção: Manda no mínimo 118 e-mails por dia. Pensa que você tem todo o tempo do mundo para lê-los.
Fala Sério: Te obriga a mandar um e-mail perguntando se o que ele disse é verdade ou brincadeira.
Visual: Manda sempre imagens e não escreve nada.
Ana Paula Arósio: Ao invés de te mandar resposta via e-mail, te telefona.

Tuesday, June 18, 2002

Vomitando o corpo, põe-se pra fora o estômago em convulsões, em ácidos e esguichos. Às vezes, o intestino e tudo mais o que se puder por contrações. Sensação conflitante, que é confortante e totalmente aterradora, de um vazio físico, de um espaço no meio das coisas que deveriam ter enchimento... e algum alívio.

Tudo bem, não é difícil imaginar (quando não sentir). O que fazer, como fazer, o que alcançar, está tudo lá.

Mas, por favor, pelo amor de deus... como vomitar a alma?

Sunday, June 16, 2002

Impressionante como ainda faz sucesso uma coisa do tipo Legally Blonde! Depois de ter "perdido" no cinema, caí na besteira de ver em vídeo. Rapaz, que filme muito ruim, pelamordedeus...

Todo mundo com pelo menos 18 anos e vivendo numa cidade maiorzinha já viu uns duzentos filmes exatamente iguais a esse. Tudo é perfeitinho, a heroína se dá bem em tudo, é a fodona logo desde o começo, não importa que ela tenha absolutamente nada na cabeça. É como diz essa "resenha" (na verdade, um ensaio do ponto de vista legal) aqui: estuda uma semana pro teste mais difícil, no meio das habituais tentações e falta de estrutura e consegue uma nota muito boa. No fim, todas as situações são ideais e muito estereotipadas. Basta ver (como diz o mesmo ensaio) a primeira aula que ela tem na faculdade, como se fosse daquele jeito mesmo...

Falando em resenha, o monte de coisas positivas que a gente leu na época do filme só pode ter vindo de jabá, ok? Quem critica filmes a sério jamais daria mais que duas estrelas em cinco pra uma bomba dessas, a começar do fato de que a história é ridícula, a forma de se contar é a mais convencional possível e as atuações são rasteiras. Todas.

Não faz diferença falar do final de um filme desses, porque você já sabe qual é quando começa a assistir. Eu não vou contar nada de mais não, mas a gente tem de dizer umas coisas. Por exemplo, é tão ridiculamente óbvio que o bonitão que ela encontra por acaso no começo TINHA de ser ou professor dela ou algum advogado fodão trabalhando escondido, e que ela, obviamente, descobre que ele é O gente boa, o príncipe encantado perfeito, e não é um babaca como o professor/advogado bam-bam-bam, claro. As amigas da moça são umas toupeiras inúteis, mas têm de compôr o quadro de ir assistir ao triunfo máximo no final, assim, do nada, dentro de todo o blábláblá. A cliente, é claro, não pode ser uma desgraçada na vida, um caso qualquer. Para sorte máxima (e, de novo, perfeita) da retardadinha ricaça, tem de ser alguém da mesma laia dela.

Ah, paro por aqui. Não vale a pena gastar linha demais nisso. Que grandesíssima porcaria...